Poço ou abastecimento público?

Por Juliano Magalhães
Químico de Desenvolvimento de Produtos da Leão

Saiba quais as vantagens de cada uma das opções.

Esse tema é especial para empresas, empreendimentos de agronegócios, condomínios, prédios, indústrias e outras organizações que necessitam de água em grande quantidade e de qualidade química ótima para o uso em processos industriais ou até mesmo para o consumo humano, dentro do padrão de potabilidade.

Muitas vezes o empreendedor se vê numa situação na qual a água entregue pela concessionária pública possui baixa qualidade química ou, pior ainda, não tem um abastecimento regular dessa concessionária, sofrendo com falta de água várias vezes durante a semana. É possível encontrar vários casos como esses em algumas regiões litorâneas, grandes centros urbanos e até mesmo em famosas cidades turísticas.

Se esse é o seu caso, existe uma grande chance de você já ter pensado em perfurar um poço para sanar de vez esse problema. Desse modo, teria um suprimento autônomo de água e não dependeria mais da concessionária. Contudo, alguns cuidados devem ser tomados para evitar que essa solução se transforme em mais problemas, pois algumas regiões não possuem água de boa qualidade nas camadas mais superficiais do solo e o poço necessitaria ser profundo para conseguir água de boa qualidade.

Normalmente as empresas tentam fazer a obra do poço da forma mais barata possível e, sendo assim, contratam empresas que nem sempre possuem o ferramental para conseguir chegar até a metragem necessária (muitas vezes acima de 200m, chegando a até 500m) e fazem poços rasos, tipo ponteira, que captam água contaminada das camadas superficiais. Esses poços não vão ter água de qualidade para atender ao consumo humano e necessitarão de tratamento constante, com adição de produtos químicos para corrigir os parâmetros da água que estarão fora do padrão de potabilidade.

Nesses casos, o melhor seria continuar com a concessionária, pois os custos de manutenção do sistema de tratamento muitas vezes chegam a ser superiores aos valores cobrados pela concessionária na conta mensal. Isso sem falar que a concessionária mantém sempre um controle da qualidade da água oferecida ao público e normalmente o custo por metro cúbico de água é relativamente baixo. Você terá qualidade e tranquilidade sobre esse bem fundamental. No entanto, se a região que você está instalado sofre com falta de água constante (principalmente na famosa
“temporada”) e seu negócio necessita ter um suprimento confiável de água, a melhor opção é instalar um poço.

Mesmo que a água não tenha uma qualidade 100% dentro do padrão de potabilidade na saída do poço, os custos de manutenção do sistema de tratamento serão diluídos pelos benefícios de ter água disponível sempre. Hoje em dia existem sistemas compactos de tratamento de água que atuam com floculantes de alta tecnologia, possibilitando sua instalação de maneira fácil
a um custo bem atrativo frente aos sistemas tradicionais de filtro simples. Esses novos equipamentos vêm conseguindo baixar os custos de manutenção ao ponto de serem competitivos
até mesmo frente à água da concessionária. Essa solução é muito viável para negócios que necessitam de grandes volumes de água como hotéis, restaurantes, lavanderias, empresas têxteis, entre outras empresas que costumam se instalar em regiões litorâneas e de alta concentração populacional.

Esse ganho tecnológico ocorre porque esses sistemas de floculação são mais fáceis de limpar e os produtos químicos de reposição são baratos e sua dosagem é muito baixa durante a operação, gerando uma ótima relação entre custo e benefício. Claro que existem situações pontuais nas quais você deve pensar muito antes de tomar qualquer decisão entre trocar a concessionária por um poço. Tenha em mente que um poço até 200m deve custar cerca de 40 mil reais, já contando com os revestimentos e com a bomba instalada. Para qualquer orçamento muito abaixo disso, você deve desconfiar e analisar sistematicamente tudo o que a empresa oferecerá para ver se não há nada inconsistente no orçamento. Por isso, a dica é fazer ao menos três orçamentos sempre.
Assim, você saberá se os preços ofertados estão dentro do praticado no mercado. Feito isso e constatado que será vantajoso perfurar um poço, examine o seu plano de construção e acompanhe todas as fases da obra, perguntando sempre quaisquer dúvidas que forem surgindo e fiscalizando se estão cumprindo a proposta inicial. Após finalizada a obra, peça o registro do poço no órgão competente do seu estado e guarde o projeto e o relatório final onde constam as entradas de água e a posição dos filtros e da bomba. Isso será muito importante para futuras manutenções do poço. Por fim, procure sempre se informar mais a respeito desse tema antes de tomar qualquer decisão, pois água é um bem fundamental e indispensável para todos os tipos de negócios e empreendimentos. Consulte sempre empresas e profissionais especializados no ramo.

× WHATSAPP
%d blogueiros gostam disto: